Nos últimos 5 anos, a música eletrônica voltou a tomar conta das pistas dos mais diversos espaços, muitas vezes públicos e clubes -e algumas vezes locais clandestinos- da cidade São Paulo. Após um período longe dos holofotes, desde o auge da cena eletrônica nos anos 1990 e 2000, festas como Mamba Negra, Vampire Haus, ODD, Caldo, Poros, Silver Tape e Sangra Muta surgiram e ganharam grande espaço na vida noturna paulista, trazendo de volta não só as batidas frenéticas do techno, do house e do nu-disco, mas também a comunidade clubber, performers e os fortes discursos e atos políticos.

Foi no meio dessa cena que Gabriel Brugnara e Gabriel Oliveira se encontraram e tornaram-se frequentadores ferrenhos das raves. Em junho de 2019, os amigos -e hoje sócios- realizaram a primeira edição da festa VERSA, que surgiu a partir da ideia da plataforma ABERTA, que tem como objetivo difundir e entender a arte e as culturas latino-americanas.

Seguindo a ideia da plataforma mãe, a VERSA é um espaço que está crescendo com o objetivo de promover e difundir o trabalho de LGBTQIAs e mulheres latinos. “A ideia da VERSA é unir novos criadores, buscando versatilidade tanto nos lineups, quanto na identidade visual de cada edição. Para cada festa, realizamos um editorial exclusivo, sempre buscando pessoas novas, para ir de encontro com a nossa vontade de trazer mais gente para a cena da musica eletrônica.” comenta Gabriel Brugnara.

Pensamos a VERSA como um organismo catalisador, uma ferramenta para novos criadores e que proporcione contatos com novas pessoas. Nossa cena em São Paulo é muito linda e queremos que mais gente tenha acesso a esta bolha.” concluem Brugnara e Gabriel Oliveira.

Para a segunda edição, realizada no clube L’amour dia 06 de setembro, unimos força à VERSA e criamos um ensaio que traz a união e o amor LGBTQIA+. Através das lentes de Lucas Cobucci e com direção criativa de Guilherme Lourenço, o ensaio teve base no momento tenso que casais e pessoas LGBTQIAs enfrentaram após as eleições de 2018, em que o conservadorismo e o preconceito teve uma triste vitória.

No final de 2018, muitos casais viram-se obrigados a oficializar seus relacionamentos às pressas, temendo que as nossas uniões deixem de ser aceitas perante às leis, novamente. Com isso, “Novos Amores” trouxe Jean e Iago e Monique e Mari -dois casais LGBTQIAs- pelas ruas do centro de São Paulo, mostrando que nosso amor existe, deve ser normalizado e que não devemos temer demonstrações de afeto, independente do local em que estejamos.

 

 

Direção Criativa: Guilherme Lourenço (@oguilourenco)
Fotos: Lucas Cobucci (@lucascobucciph)
Moda: Jefferson Pacheco (@pachecojeff) & Victor Loureiro (@agressivictor)
Beleza: Sabrina Ferreira (@sasacional)
Modelos: Monique Lemos (@moniquelms) & Maria Santos (@marisntz) e Jean Labanca (@jeanlabanca) & Iago Coimbra (@iagoccoimbra)
Agradecimento: Koia Brand (@koiabrand), Handred Studio (@handredstudio) e Heloisa Faria Brand (@heloisafariabrand)